Cinzento Grey

Residência Criativa no CENTA [Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas],Vila Velha de Ródão | Dezembro de 2003
Estreia CENTA [Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas], Vila Velha de Ródão | Dezembro de 2003
Estreia Lugar Comum [Centro de Experimentação Artística],Fábrica da Pólvora de Barcarena | Janeiro 2004
Estreia Tron Theatre,em Glasgow, Escócia | Maio de 2004
Desenvolvido em colaboração, com direcção de Joana Craveiro e interpretação de Ana Sofia Paiva, David McGowan, Fiona Ormiston, Tânia Guerreiro

 
Trabalhar as memórias, o outro na ausência, as marcas da nossa identidade, o ser-se deslocado, o não se estar exilado mas quase, porque longe. Longe é sempre uma espécie de exílio. E, no entanto, é para onde se quer ir.
O Vestido pensou em fechar-se, pendurado num cabide, num daqueles armários grandes, com chave, e com naftalina para resistir às investidas do tempo e dos insectos. Depois considerou a hipótese de deixar a porta entreaberta, fazendo dessa experiência o material base de um espectáculo.
Sem texto de partida, porque, parafraseando uma das nossas personagens antigas, “ainda não vimos nada”. A ausência e a distância como motes. Do sol para a chuva; daqui para longe, Cinzento é o carimbo que leva mais esta peça missiva-viagem do Teatro do Vestido.

Comments are closed.