RETORNOS, EXÍLIOS E ALGUNS QUE FICARAM

RTD_0453

7 a 10 de Junho | 21h

Palácio Sinel de Cordes*, Lisboa

 

I.

Na sequência do processo de descolonização de 1974-75, milhares de pessoas regressaram das ex-colónias portuguesas. Mas o que quer exactamente dizer este ‘regressar’? Dentre essas pessoas há as histórias daqueles que pouca relação tinham com Portugal, considerando portanto que são exilados e não retornados; outros há que decidiram ficar lá e ajudar a construir um país novo; outros ainda que, embora retornando, não o tinham desejado.

II.
Construído a partir de uma aprofundada recolha de testemunhos e histórias de vida de pessoas que viviam nas ex-colónias portuguesas aquando do processo de Descolonização e de independência destas novas nações africanas, este espectáculo foi criado especificamente para ser apresentado no Solar do Dão, em Viseu, local emblemático deste processo de retorno e que serviu como um dos locais de residência do Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais (IARN) entre 1975 e 1991 naquela região. A recolha de testemunhos teve lugar precisamente na região de Viseu, num trabalho aprofundado que combina a pesquisa etnográfica no terreno, a história oral, e a investigação histórica. Sentimos que uma das missões primordiais do Teatro do Vestido neste momento é a de abordar de forma performática fragmentos da história de Portugal que nos possam fazer melhor entender o nosso presente, desafiando aquilo que Eric Hobsbawn descreveu como este “presente permanente” em que todos vivemos.

 “No IARN as secretárias eram velhas e sujas e as cadeiras onde os retornados se sentavam quando chegava a sua vez estavam desconjuntadas…Estavam lá retornados de todos os cantos do império, o império estava ali, naquela sala, um império cansado, a precisar de casa e de comida…” (Dulce Maria Cardoso, O Retorno) 

Joana Craveiro

 

Direcção, texto, espaço cénico: Joana Craveiro
Interpretação: André Amálio, Isabelle Coelho, Joana Craveiro e Rosinda Costa
Desenho de luz: Cristóvão Cunha
Produção: Cláudia Teixeira
Estagiária de produção: Mafalda Rôla
Estagiários ESAD: Joana Margarida Lis, João Diogo Ferreira, Vera Bibi
Co-produção: Teatro do Vestido e Teatro Viriato

Duração: 2h30 aprox.
No final do espectáculo haverá uma conversa com os espectadores.

*Palácio Sinel de Cordes
Campo Santa Clara, 142
110-155 Lisboa
(no local onde se realiza a feira da ladra)

Para mais informações, por favor consulte o site do Teatro Nacional D. Maria II

O Teatro do Vestido é uma estrutura financiada pela República Portuguesa / Ministério da Cultura/ Direcção-Geral das Artes

governo-de-portugal-2dgartes_logo

 

 

 

Posted in TdV | Comments Off

Cheap Assignments

Cheap Assignments

The widespread use of blogs, social-networking sites, webcams and cell phones places just about every corner of the planet at our fingertips.

School Talk: Gender and Adolescent Culture. Rutgers University Press.In Harvard, argumentative psychology topics for essay are popular because the students attempt to study different mental issues in-depth.Not every sacrifice was top essay writing services normal. The Plight of China’s Favored Sons — This New York Times article discusses the social and population stability problems that will inevitably become more prevalent over time from the decline in fertility rates and sex-selective abortions that have come out of China’s one child policy.Here’s how you can use the following topic ideas to write an essay:

Since your homework paper may be in a vast area, you have to concentrate on reading summaries of different chapters, their captions and charts.The Grapes of Wrath (1939)Decide on the structure of your essay and according to this, outline your essay.Do argumentative essays have headings?When writing a Rogerian essay, it is essential that you first understand what it is and what it seeks to serve or what its primary purpose is.More pyramids can be found in South America, which was home to indigenous populations like the Moche, Chimú and Incas.

Keng, Lin, and Orazem, “Expanding College Access,” 23.Employees with good morals set a positive example for their coworkers.

From great ideas to great execution, learn what makes writing ‘good’ and how to transform your writing from ‘okay’ to accomplished through the use of specific examples, great ideas, and organization.Only then they would recycle.Routledge.Simply type essay online request and you will find our website .It would be because of the poor ethics of the company not the morals of the individual.Quite to my surprise, I’ve found they have been used by students all over the world.

A deeper criticism comes from feminist approaches to language.Is the current trend towards eating locally a good idea worldwide?In cause and effect essays, it is important to cover the essay’s overall idea and revisit major points so that your thoughts can be tied together by the reader, the way this course on essay writing shows you how.A lot of college students say they feel like they started being treated like adults after they went to college.

This is a short essay about happiness, written by one of our expert writers.You have to start each of your body paragraphs with a topic sentence.Each of these style manuals provide rules on how to write out numbers, references, citations, footnotes, and lists.Toolkits are provided as working documents in which students write Learning Logs, interact with Math Notes and create other personal reference tools.// Leaf Group EducationEnterprises whose taxable sales are 10 million yen or less for the base period (excepting enterprises that have opted to be taxable) and that meet certain conditions are exempt from consumption tax filing/liability for the current year (7).

Posted in TdV | Comments Off

UM MINI-MUSEU VIVO DE MEMÓRIAS DO PORTUGAL RECENTE

Mini-Museu Vivo

24 a 29 de Abril | todos os dias às 16h (excepto quarta, 25, às 11h)

Teatro Municipal Joaquim Benite

Almada

Partindo dos materiais que são a base da construção de Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas, que aborda, a partir das memórias das pessoas, a ditadura de 1926-1974, a revolução de 25 de Abril de 1974 e o processo revolucionário de 1974-76, o Teatro do Vestido constrói agora este Mini-Museu contado aos jovens. Nele, são revisitados muitos temas da história recente de Portugal que nem sempre se encontram nos livros do Ensino Secundário; ou que, mesmo sendo aí abordados, não o são do ponto de vista das memórias pessoais, dos pequenos objectos. Estamos rodeados de versões gloriosas sobre a história, contadas pelos grandes protagonistas militares e políticos. Este mini-museu vivo, pelo contrário, contará histórias dos anónimos que fizeram, também eles, essa história, mesmo que na história não tenha ficado o seu registo. 42 anos depois do 25 de Abril, já são os filhos de Abril que transmitem as memórias que ouviram contar, a outros para quem este passado é já um país distante. E, no entanto, como mostra este espectáculo, este passado faz muito daquilo que é o nosso presente. Não o conhecer, não saber como chegámos até aqui, é como faltar-nos um mapa para o futuro.

Texto, direcção e interpretação: Joana Craveiro
Colaboração criativa: Rosinda Costa e Tânia Guerreiro
Desenho de luz: João Caculho
Produção: Cláudia Teixeira
Estagiária de produção: Mafalda Rôla
Estagiários ESAD: Joana Margarida Lis, João Diogo Ferreira, Vera Bibi
Co-produção: Teatro do Vestido e CCB / Fábrica das Artes

Duração: 75 minutos
M/12

Para mais informações, por favor consulte o site do Teatro Municipal Joaquim Benite

O Teatro do Vestido é uma estrutura financiada pela República Portuguesa / Ministério da Cultura/ Direcção-Geral das Artes

Posted in TdV | Comments Off